sábado, 16 de setembro de 2017

Toronto - Dia 8

Levanto cedo, tomo meu café meia boca, falo com minha mãe e saio rumo a meu tour.

Acho que se estivesse num tour em Foz do Iguaçu, não teria tanto brasileiro, quanto tem aqui.

Demorou bastante até o povo se organizar e informar em que ônibus cada escola estava.

Depois de um tempo, finalmente conseguimos sair.

Passada um hora (e um cochilo), chegamos a Niagara on the lake, lar dos ricos e dos vinhedos.

A cidade é pequena, mas muito fofa!

Ficamos cerca de 1:30 e depois sairmos para conhecer as cataratas.

Eu não me recordo da viagem que fui para Foz do Iguaçu, já que era muito criancinha, mas aqui em Niágara, é realmente impressionante.

Comprei o passeio de barco, o qual podem ver o vídeo no meu Twitter: https://twitter.com/rafaelaon/status/909113751999217664.

Dei uma volta na cidade ele fui esperar o ônibus.

Seguimos então para o outlet; uma pena só ter duas horas pra ficar aqui. Sendo assim, tem que ser objetiva!

Fui nas lojas que pretendia e ainda terminei dentro do horário!

No momento em que escrevo esta nota (sim, nota, pois uso as notas do iPhone, como rascunho), estamos no trânsito, voltando pra Toronto.

Ah sim, como toda cidade grande, Toronto também tem engarrafamento.

Agora é organizar os demais passeios e curtir a última semana.



--
Rafaela

Toronto - Dia 7

Dia de aula particular!

Medhi começa a corrigir o homework, que foi um desastre total. Em seguida, ele questionou se queria fazer um novo simulado e claramente disse que sim!

Hoje acabei me saindo um pouco melhor, mas ainda há muito o que melhorar.

Saí pra almoçar com o Lucas e Ludmilla, que me apresentaram um lugar muito legal e barato.

Na parte da tarde, juntaram as turmas do Jon e Medhi, para falar sobre Terry Fox, um ídolo canadense. Ele correu de leste a oeste do Canadá, com um perna mecânica, para arrecadar fundos para luta contra o câncer.

Depois, eu, Ludmilla e Lucas fomos para o St Lawrence Market e em seguida ao distillery district.

Marcamos de nos encontrar à noite, para a festa da independência mexicana.

Depois de mais de uma hora de fila, e saber que tínhamos que pagar 15 dólares pra entrar, eu e Ludmilla decidimos ir para um bar, onde ficamos até quase meia noite, antes de nos despedirmos e cada uma ir pro seu canto.



--
Rafaela

Toronto - Dia 6

Incrível como as meninas não chegam cedo; praticamente, tenho uma hora de aula particular.

A aula tem um ritmo bem frenético, muita conversação e ao longo das nossas conversas, Medhi vai nos corrigindo e pausa para explicar a gramática.

A aula do Jon, já não tem essa dinâmica, meio que me arrependi de ter escolhido vocabulário. 

Jon é ótimo, mas a turma parece meio dispersa, isso quando não estão de ressaca.

Hoje estou com tanta dor, que nem consigo me animar pra fazer algo.Decidi então ir ao Walmart.

Cheguei lá, comprei algumas coisas e fiz um FaceTime com minha mãe, que ficou maravilhada com o tamanho do mercado. Quando mostrei as lãs então, faltou pouco chorar de tanta felicidade.

Comprei algumas coisas e não então fui embora pra homestay.



--
Rafaela

Toronto - Dia 5

Nooooossa!!!

Escrevendo as notas, percebi como passou rápido.

Hoje foi um dia bem Rafaela: esqueci minha água, e voltei pra buscar (ainda bem que tava perto da casa); ao chegar na estação, não achei meu cartão, e lá vai eu andando tudo de volta, pra pegar o cartão que ficou no bolso da calça jeans.

Resultado: cheguei meia hora atrasada na aula.

Novamente, a primeira hora foi aula particular, já que geral se atrasou.

Medhi perguntou se queria fazer um dos simulados do IELTS; começamos pelo listening e depois fomos para o reading and writing. Meu resultado foi 5.5, ou seja, ainda preciso melhorar um pouco.

Você acha que no Brasil é caro comer, deem uma olhada no meu almoço que custou $6.43.

E depois da aula de vocabulário, saímos para uma atividade  em grupo com os alunos da escola.

A começamos andar pelas ruas do Enterraiment district, de modo a cumprir todas as tarefas da lista.

Fizemos isso até uma  15h30, nesse meio tempo achamos caminhão da Lindt, dando bombons de graça. Essa melhor situação pra uma chocólatra: ganhar chocolate suíço de graça.

Depois tentei achar a loja de cupcake apresentadora do masterchef, mas acabei não encontrando.

Decidi então pegar o streetcar até o St Lawrence Market, que nada mais é do que um grande mercado municipal ontem. O prédio é lindo por fora, mas dentro, tem muito cheiro mais carne de porco que são vendidas por lá.

Seguindo a recomendação da minha mãe, passei no metro e comprei os limões pra ver se melhoro da gripe. Com muita, mas muita dor por conta do esporão, obrigada encerrar meu dia mais cedo,entenda por cedo 17h30.







--
Rafaela

Toronto - Dia 4

Terça-feira, primeiro dia de aula, vou comer meu pão - lembram que eu falei que eu só tinha pão?! 

Esqueci de mencionar no post anterior, que estou gripada, muito gripada. Com uma tosse irritante, desde domingo.

Achei que daria tempo, então fui até Starbucks, comprei um café e fui pra escola. Resultado: cheguei cinco minutos atrasada, então engoli o café e fui pra aula.

Medhi é o meu professor, iraniano, ou seja, o sotaque não irá facilitar, mas vamos que vamos. Ele me conta que tem uma Colombians e mais duas brasileiras na classe, uma turma extremamente avançada. A aula foi de nove até 12h15, e foi pura conversação.

Ao fim da aula paramos para almoçar, e retornamos às 13h00. Fui então para minha classe de vocabulário. Confesso que eu detestei essa turma!!!

Três meninas da classe, ficavam brincando como se tivesse no jardim de infância, passando o bilhete uma para outra. Cadê atenção?!

O Lucas, que conheci no dia anterior, ainda tinha mais uma aula, então decidi esperar-lo. 

Saímos da TLG,  rumo a union station.

Levei o Lucas pra conhecer a prefeitura antiga e a nova, depois terminamos de descer até a praça onde fica o aquário a torre e o estádio de beisebol. Já eram 4h00 da tarde, Lucas decidiu então voltar pra casa. No início achei muito chato voltar cedo pra casa, mas quando sentei no metrô, meu pé e meu joelho agradeceram.

Cheguei em casa, liguei pra minha mãe, até que percebi que Geórgia havia chegado em casa e ia fazer a janta.

Desliguei o FaceTime e subi. Fiquei conversando com ela e aproveitando é claro, pra treinar o inglês.

O prato do dia era macarrão com frango aos quatro queijos, pro meu total pavor!

Como ela é uma pessoa bacana, falei que não como queijo e ela fez legumes pra mim.

Eis a janta:

Depois assistimos HUSH, na Netflix e ao término do filme, fui conversar com mammys e depois dormi!





--
Rafaela

Toronto - Dia 3

Segunda-feira, vamos estudar! Afinal de contas, foi pra isso que vim pra cá.

Acordo, como meu pão, como o único iogurte que me restou na geladeira e parto rumo ao metrô. 

Pra quem acha que problemas no metrô só ocorre no Brasil, sinto informar: O metrô ficou parado por uns 15 minutos, aguardando a liberação por conta do problema em um das estações da linha 1.

Como não sabia se a estação que eu estava parada, até o qual eu tinha descer,  era muito longe, obviamente eu fiquei dentro do metrô esperando ele voltar a funcionar.

Chegando na escola, seguimos a burocracia padrão: entrego o passaporte, o seguro e vou pra sala de espera.

Pouco tempo depois, ela chama todos nós para irmos até uma sala, onde será aplicado o teste de escrita, vulgo, redação.

Terminei minha redação e ao olhar por lado, me deparo com dois indivíduos usando o telefone pra consultar o Google translate. Que vergonha!

Noto que há uma galera muito fraca na sala, não sabiam nem como dizer ontem em inglês.

Ficamos esperando a coordenadora chamar um a um, para então fazermos o teste de conversação.

Enquanto isso, Stephanie foi apresentando a escola e logo na sequência, veio uma mocinha da ISX, apresentar os tours em convênio com a escola.

A mochinha fez umas perguntas sobre O Canadá e quem acerca, ganhava cinco dólares de desconto. Eu ganhei!!

Apesar de tudo, me saí bem no teste oral e consegui ir para a classe de preparatório.

Depois disso, fomos liberados! Eram 12h e o encontro da Cypress era só às 15h45.

Acabei conhecendo o Lucas, e então saímos pra almoçar juntos. Demos um rolê pelo shopping, e finalmente, comprei minha mochila.

Fui com o Lucas até a Victoria Secrets, que ele tinha que ver as encomendas da Irma.

Depois, achamos uma livraria que põe a Saraiva no chinelo, onde eu comprei algumas revistas pra minha mãe, as quais deixou ela extremamente sorridente. Vai entender!

Ai depois fomos pro encontro, que até foi interessante.

Lá está bem conhecendo mais dois brasileiros: Gleisi e Will! Agora nós temos até um grupo no WhatsApp.

O encontro acabou era próximo de 17:30,  logo eu não tinha muita coisa que fazer depois disso, então fui pra casa descansar.



--
Rafaela

Toronto - Dia 2

Manhã de domingo, vamos ver o que tem pro café da manhã: pão, água, leite e um iogurte. Vamos só de água e pão mesmo, ao menos dá aquela inchada básica.

Começo do dia é sempre o memo: ligo pra minha mãe, falo o que pretendo fazer e saio. Ao subir, encontro Maria, que tava assistindo a CNN.

Aproveitei para pedir a chave, que ela ainda não tinha me dado, ela então me dá as chave e vai até o lado de fora pra me explicar como chegar até o metro.

Peguei o metrô rumo ao Toronto Eaton Center, que infelizmente tava fechado na hora que eu cheguei. E já que ele estava fechado, resolver então fazer o que eu faço de melhor: ANDAR!

Subi a rua, e dei de cara com a galera correndo (devia ser alguma prova de rua), peguei o mapa, e vi que havia uma igreja da santíssima trindade, mas como sempre, me perdi! Kkkkkkkkkkkkk

Tudo bem, continuei descendo a Bay Street, e me deparei com enorme prédio da antiga prefeitura; uma construção realmente sensacional! Ao lado, cruzando a rua, se encontra a City Hall and Nathan Philip Square, prédio moderno com uma bela praça e a palavra TORONTO, excelente pra fotografar.

Nota mental: tenho que voltar à noite, pois isso deve ficar muito bonito quando iluminado.

Continuei rumo ao sul, até a Union Station, onde partem/chegam três para diversas cidades ao redor de Toronto, e também para os outros estados. De lá partem também algumas embarcações pras ilhas próximas.

Chegando na Union, você tem uma visão da onipotente CN tower, já está na Bahia blog Ontário a mister está outra coisa que eu gosto muito na minha viagem que só os ônibus em as vermelhas para turismo comprei meu passa pra desagrado do meu dia, no cartão de crédito não aprovou a compra o que deu uma broxada no meu dia,  mas tudo bem vamos por estar né. Só entra no ônibus edícula mente a primeira parada de novo próxima parada foi exatamente lá no aquário no status do de beisebol e na cn tower.

Na minha primeira parada lar ser esquisito demais não continuei que feliz e sorridente e seguir para as próximas paradas a velho eu tinha que tu lava direito ao ingresso de de bote de barco pelas ilhas de Toronto acabei não fazendo seguir com o ônibus.

Enio com problema no meu cartão de crédito meio que fiquei sem ânimo pra fazer as coisas não sabia se eu ia poder comprar a alma a grana está limitada então eu tinha programado pra algumas coisas serem feitas com o cartão é descer na parada um ônibus na internet estar Bax liguei pra minha mãe estava conseguindo ligar pro banco pelo Skype pedir então que ela ligasse E eles falaram que usar naquela tarde a magnética não poderia comprar nada teria que ser pelo chip.

Fui comer alguma coisa tentei tirar dinheiro e três cartões diferente e não adiantou nada confesso que chorei como é que bateu desespero né voltar então pro ônibus não sabia muito que fazer a bolsa que eu trouxe quebrou estava andando com a bolsa totalmente aberta aqui pra uma carioca é uma coisa está numa noite estranha mesmo falando que o país é muito seguro, não consegui aproveitar muito do doutor e apesar de ter feito várias fotos legais maioria vocês vão olhar e vamos ver se ele sorrindo mas no fundo tava meio que desesperado não sabia muito que eu ia fazer da minha vida até que eu cheguei e decidi que eu ia por descer novo no ponto lá de saída dos barcos fazer o turismo de barco afinal apesar do friozinho, O dia estava realmente muito bonito excelente para um passeio de barco. Você estava incluso já mesmo então você me restava era fute paisagem era de fato excelente. Passeio de barco vale pela vista monumental do centro de Toronto você ver o aquário a torre e o estádio de beisebol, ou como alguns preferem dizer: a melhor vista do skyline de Toronto.

Voltando do passeio de barco eu peguei um ônibus de novo, desta vez rumo ao distillery district. 

Esse distrito reserva ser várias lojinhas hoje o que antes era uma grande destilaria hoje abriga micro cervejaria destilarias e vagens a tudo 100% canadense nesse local você não vai encontrar nenhum aqui Donalds, Starbucks qualquer outra loja americano.  

Lugar é super disputado eu falar as pessoas que querem se casar é tem um local que você pode ir com o seu amor casa você já tem algum e pendurar o Canadá um cadeado assim como na ponte lá na Inglaterra. Também tem um grande coração vermelho, mas é possível você fazer a foto com o seu love.

Na falta do love, fiz a foto sozinha mesmo.

Achei um lugar que vendia vários temperos e azeite, então aproveitei pra comprar a lembrancinha pra minha mãe.

Peguei um ônibus de volta já era tarde é peguei a última viagem dele então decidi voltar pra casa esse é o final do segundo dia.



--
Rafaela

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Toronto - Dia 1

Saí do Brasil na sexta-feira volta de 8h00 da noite; o meu voo atrasou mais de uma hora, devido uma manutenção de última hora, aí teve que esperar pelos documentos pra liberar o voo.

Passado isso, o voo decolou às 9h45 da noite, chegamos em Houston por volta de 5h30 da manhã - teve bastante turbulência, principalmente quando passamos pelo Caribe devido aos furacões.

Em Houston, aquela velha história da imigração americana: vários voos chegando ao mesmo tempo, logo, a fila da imigração estava enorme! Demorei cerca de uma hora e meia pra passar pela imigração americana: obviamente tudo muito bom; apresentei meu passaporte e o visto, algumas perguntinhas clichê de sempre e, no final uma piadinha falando porque eu vim estudar inglês se eu falo inglês tão bem?!

Após três longas horas de espera para o próximo voo, claro que aproveitei a internet grátis do aeroporto pra ligar pra minha mãe; isso ajudou um pouco a passar o tempo. 

Para ser sincera, eu DETESTO voar de manhã, parece que nunca acaba!

Praticamente cinco longas viagem, até chegar na imigração novamente, só que da sua vez com o diferencial de que um lado ficam os americanos e canadenses e do outro o restante do mundo. E num voo vindo dos EUA, a fila do restante do mundo estava mega vazia, levei uns 5min pra passar na imigração canadense e também ouvir a piadinha do que porque eu vim pra estudar no Canadá se já falo inglês tão bem.

Desci, peguei minha mochila, e fui pra área de desembarque. Chegando lá cadê o transfer, o qual estaria lá às 13h15 e já eram 13h40.

Me desesperei, claro! A pessoa sem internet, sem telefone, como é que ia ligar pra perguntar alguma coisa?

Fui no centro de orientação de pessoas que chegam no Canadá, e uma mocinha muito simpática me atendeu, me deu o fone pra ligar pra empresa; o rapaz que me atendeu, informou que o motorista estava atrasado, e que chegaria em 15min.

20min depois, ele finalmente chegou. UFAAA!!

Pegamos uma rodovia e depois um pequeno engarrafamento, e em cerca de 30min, chegamos na minha homestay.

Maria me recebeu sorriso no rosto e logo me apresentou a filha dela, e passou as orientações da casa.

Desfiz minha mala e fui ligar pra minha mãe, já tava caindo de sono, mas ainda eram 5h00 da tarde, desliguei o tel e acabei vestindo short e indo indo andar para conhecer o bairro onde eu esto.

Costumo fazer sempre isso, sempre que eu chego, mas dessa vez, não tava com a mínima vontade, mesmo assim fui.

O bairro não tem nada, é extremamente residencial; pouco ou quase nenhum comércio perto e perto eu estou falando de uns 15 minutos de caminhada.

Voltei troquei de roupa , tomei um banho não necessariamente nessa ordem e acabei cochilando; acordei por volta de  7h30 com a Maria me chamando perguntando se eu estava com fome, e na vdd, eu tava faminta.

O cheiro não era convidativo, mas fui assim mesmo. Tinha duas opções: um qualquer coisa de queijos com espinafre e uma pasta. Escolhi a pasta, que pra minha total surpresa, era carne moída embaixo, por cima macarrão e um purê de batata cobrindo tudo! Gente, tenso, muito tenso!

Comi um pouco e fui embora dormir!

Fim do primeiro dia




--
Rafaela

terça-feira, 24 de maio de 2016

Um city tour por Montevideo

Saímos do Brasil às 15h15min, num voo curto e com bastante turbulências, chegamos em Montevideo (ou Montevidéu) após 2h30 de viagem.

Logo de cara me senti a rycah.. hahahahaha.. Os táxis do aeroporto são todos Mercedes; andei de Mercedes, com motorista e não era ônibus.. ahauhauahua... minha mãe ficou rindo quando falei isso.

Perto das 19h chegamos ao hotel: moderninho, simples, convidativo, mas poderia ser em outro local.. aiaiai.

Arrumamos nossas coisitas e saímos em busca de comida, logo achamos um mercadinho na rua ao lado, onde compramos umas bobagens e voltamos para o hotel.

Na recepção, agendei nosso tour para a manhã seguinte então, hora da soneca!

Pela manhã, descemos e fomos até o Bar Americano, onde é servido o café; nada demais, pães, bolos, donuts, frios, lácteos...

Como ainda era cedo, saímos para dar rolê, onde conhecemos a Praça da Independência, Palácio Salvo, Palácio da Presidência, Rua Sarandi e a catedral.

Rá! Adivinha por onde o tour passou??? kkkkk

O city tour cobriu os principais pontos de Montevideo, mas tivemos que pedir para irem até o letreiro, na entrada da cidade - acreditam que eles nem pretendiam parar lá!? Que absurdo!


Amar é para todos?

Às vezes me pego pensando se encontrar o suposto "amor da vida" é para todos ou somente para alguns sortudos.

Há anos tomei uma decisão de NUNCA me casar, afinal, como todo bom jogo, é preciso sorte para ter sucesso (ou amor para os apaixonados) -

Sorte ou amor, chamem como preferirem, é algo que não vem escrito, não tem manual de instruções, bula ou qualquer que seja a orientação; simplesmente você conhece alguém, se interessa por ela e em um dado momento, decidem que vão passar o resto das suas vidas juntos - ou não!

Pelo fato de existir a possibilidade de dar errado é que chamo de sorte ou como diz no popular: casamento é uma loteria. Bem, tenho 32 anos e maior prêmio que ganhei na loteria foram R$4. Melhor continuar sem casar, certo?

"Azar no jogo, sorte no amor", como para toda regra existe uma exceção: essa sou EU!!

Já falei sobre meu prêmio na loteria, agora vamos ao fator amor!

Ai, ai, ai! Isso não existe! Ao menos não para mim!

Devem se perguntar se ao menos, alguma vez na vida estive apaixonada; e a resposta para esta pergunta é sim, já estive e em todas quebrei a cara.

Desejei não casar e acabei por me tornar uma pessoa "fria" para alguns assuntos, principalmente no tópico romance.

Sendo bem sincera, acordei achando que isso era besteira e terminei o dia repensando mais uma vez se a errado sou eu.

Ao ler os relatos de uma amiga, vejo que sim, é possível haver estórias de amor, tipo filme, onde a pessoa troca toda sua vida e vai atrás do amor, da sua felicidade.

É bom ver estórias assim, mas ainda sim, não creio que seja para todos e sim, apenas para alguns sortudos.



Trip Advisor

  1. Fortaleza, Brazil